Degeneração periférica da retina: Causa, sintomas e tratamento

De antemão, o cuidado de nossos olhos devem ser diários. Embora, muitos não achem necessário, existem doenças como a degeneração periférica da retina. Ela pode ser evitada com consultas regulares ao oftalmologista uma vez ao ano.

A seguir, falaremos sobre esta doença visual silenciosa, mas com meios de se fazer uma prevenção. Bastando para isso, seguir todas as recomendações e exames médicos.

O que seria a Degeneração Periférica da Retina

Primeiramente, vamos por partes, esmiuçando cada palavra e informando seus conceitos. Desse modo, a retina ocular, é uma camada fina e mais sensível dos seus olhos. Ela está localizada ao fundo deles, envolvendo todo o seu glóbulo ocular.

A função da retina é captar, registrar e decifrar todas as ondas luminosas. Mandando a informação ao cérebro com a ajuda do nervo óptico. Em resumo, todo esse mecanismo vai gerar a forma da visão para o indivíduo.

Logo, por fatores como a velhice, exposição continua da luz ou falta de nutrientes, pode ocasionar a sua degeneração gradativamente.

Assim, ao haver estes desgastes na retina, podem aparecer diversos problemas, entre eles a degeneração periférica da retina. Por isso, abaixo iremos falar sobre as causas, sintomas e tratamento para este tipo específico de degeneração.

Fundamentos para a origem da degeneração na retina

Com efeito, todo o problema começa pelo distúrbio gerado pela miopia. Pois, esta alteração torna o olho mais comprido do que o normal. Fazendo com que ocorra um estiramento e fendas de separação das camadas do tecido óptico.

Geralmente, o surgimento da miopia, pode estar relacionado a alguns fatores gênicos e ambientais. Dessa maneira, podemos listar as seguintes causas do seu aparecimento:

  • Por aspectos genéticos;
  • Longos períodos em frente à televisão, ou qualquer dispositivo eletrônico, como computador e celular.

De fato, deve-se visitar um oftalmologista uma vez por ano. Já que, costuma ter o diagnostico a partir dos 10 a 12 anos de idade. O aparecimento na fase adulta pode estar relacionado a outros problemas como a catarata ou diabetes.

Portanto, a alteração ocular causado pela miopia, que vai ocasionar os danos e sequelas dos problemas da retina.

Ademais, a degeneração periférica da retina, é a fragilidade de formar uma imagem nesta área da visão tangencial. Ou seja, que esteja ao alcance do seu campo visual nas laterais.

Principais indicativos da doença

Podendo ser uma patologia assintomática, algumas pessoas descobrem ter o problema em exames de mapeamento da retina. No entanto, o paciente, pode ter sintomas físicos, como por exemplo:

  • Visualização de flashes luminosos;
  • Perda do brilho e intensidade das cores;
  • Imagens turvas e com ausência de visão nas laterais;
  • Dificuldade de enxergar em ambientes com pouca luz.

Suas formas mais comuns, para o tipo desta degeneração periférica da retina são a lattice e a snailtrack. Porém, com acompanhamento e tratamento, podem ser revertidas, dependendo do seu estágio.

Forma de tratamento

Uma vez descoberto o problema da retina, o recurso terapêutico mais indicado é a fotocoagulação a laser. Através deste procedimento, há um suplemento e reforço da área afetada, melhorando a estrutura do tecido da retina.

Desse modo, previne um futuro deslocamento da retina. Ao longo dos anos, este processo pode ser repetido de acordo com as indicações do seu médico.


Comentários